28/01/2021 às 13h02min - Atualizada em 29/01/2021 às 17h20min

Colégios particulares de BH fazem ajuste tecnológico e novos protocolos

Instituições particulares adaptam programas e conteúdos a modelo que mescla atividades presenciais e remotas à espera de reabertura, ainda indefinida

SALA DA NOTÍCIA Junia Oliveira
Jornal Estado de Minas
Estadão Press

BELO HORIZONTE - Num período de tantos desafios e aprendizados, nem a volta às aulas – ou muito menos ela – será nos mesmos moldes. Pela primeira vez, não haverá fila dupla na porta das escolas naquele início de fevereiro, quando as buzinas do trânsito carregado fazem despertar a cidade de um lento janeiro, quase adormecida no ritmo de férias. Também não haverá o sorriso de quem reencontra os colegas, os abraços de quem não se vê há mais de um mês, nem os olhos apavorados ou desconfiados daqueles que acabam de chegar à nova escola. Aglomerações de pais para um bate-papo sobre viagens e passeios feitos nos últimos dias ficaram no passado. Pela primeira vez, em Belo Horizonte e vários municípios mineiros, a volta às aulas não será tão calorosa. Será a distância, pela tela do computador. Ainda em modo on-line, escolas particulares da capital mineira reformulam programas e conteúdos pedagógicos para a semana que vem, vislumbrando já o modelo híbrido. No ensino público, decisões ainda são aguardadas.

Recomeçar no modo remoto, mas com tudo preparado para mesclar aulas virtuais e presenciais. Convencidas de que as escolas reabrirão as portas com capacidade reduzida de estudantes, os estabelecimentos de ensino já pensam nas estratégias que possibilitarão receber parte da turma, enquanto a outra participa também, instantaneamente, mas de casa. Câmeras e equipamentos já estão a postos esperando apenas o sinal verde.

“Já estamos com todos os protocolos prontos: sanitários, pedagógicos e emocional, o primeiro que executaremos quando voltar, seja remoto ou híbrido”, afirma a diretora do Colégio Arnaldo Unidade Funcionários, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, Karla Vignoli. Aguardando orientações dos órgãos reguladores, o Arnaldo acredita que elas tenderão para o chamado sistema de bolhas, com parte do grupo presencial e parte virtual. “É o melhor sistema para detecção de aluno infectado e que permite isolar um grupo, sem afetar os demais.”

Nesta volta às aulas, os estudantes começarão no remoto com carga horária máxima, incluindo o 1º ano do fundamental, que teve em 2020 tempo reduzido de aula. “Vamos manter o mesmo ritmo, aprendemos o quê funciona e o quê não funciona e seguiremos com aquilo que vale a pena”, afirma a diretora. Todas as ações tradicionais do colégio, a exemplo do Anjo, quando um aluno veterano “adota” um novato, estão sendo repensadas. “Nosso cuidado no acolhimento será dobrado, porque esses alunos que estão chegando o farão de maneira virtual. Depois, teremos de acompanhá-los novamente quando chegarem fisicamente à escola, pois, caso contrário, a adaptação será muito difícil”,  preocupa-se Karla.

Diretora pedagógica da Stella Escola, no bairro Castelo, na Região da Pampulha, Renata de Faria Dias Corrêa acredita na instauração do ensino híbrido em breve. Com várias formas desse modelo em avaliação, ela diz ter uma certeza: “Quanto mais tempo tivermos as crianças na escola, mais emocionalmente saudável elas estarão”. A escola encerrou as atividades do nível fundamental em 23 do mês passado, e as do infantil no último dia 14.

Em 2021, haverá aumento da carga horária para meninos a partir do 3º ano do fundamental e intensificação de momentos on-line com pequenos grupos para as turmas do 1º e 2º anos. Renata conta que o tempo de aula das crianças sempre levou em consideração a exposição à tela. As aulas de 50 minutos têm intervalos de 15min entre uma e outra, intercalando com música, educação física e robótica e, no máximo, quatro horários por dia.

Infantil

Se as aulas virtuais durante a pandemia passaram a barreira do “feito de um dia ao outro” para alçar a modelo oficial da volta às aulas, resta um grande desafio e, esse sim, ainda sem solução que o contemple. A grande prejudicada pelo fechamento das escolas, a educação infantil, começa 2021 do mesmo modo que terminou o ano anterior: sem horizontes promissores. Com uma adaptação complexa e sem garantia de êxito no ambiente virtual, as matrículas andam a passos lentos, com os pais ainda primando pela cautela antes de assinar contratos com as escolas.

A perda de alunos, principalmente até os 3 anos, foi realidade em todas os estabelecimentos. “Os momentos on-line não tiveram validação, mas os usávamos para manter o vínculo com nossas crianças”, conta a diretora pedagógica da Stella Escola, Renata de Faria Dias Corrêa. Os roteiros semanais com sugestão de atividades lúdicas não foram suficientes para convencer parte dos pais dos pequeninos – por lei, a escola é obrigatória a partir dos 4 anos.

No Colégio Nossa Senhora das Dores, a opção foi fechar essas turmas em 2020. As matrículas estão abertas, mas, segundo a coordenadora pedagógica, Maria Eugênia Moreira Gomes de Freitas, as famílias estão ainda inseguras, uma vez que o cenário não mudou. A alfabetização é outro desafio. “Os prejuízos foram muito grandes nesse aspecto. Quanto mais novas, maior é o prejuízo para as crianças.”

No Colégio Arnaldo, o momento também é de cautela. A diretora da unidade Funcionários, Karla Vignoli, conta que alguns pais já rematricularam, outros aguardam a liberação da volta, mesmo aqueles com filhos em faixa etária obrigatória de escolarização. “Há crianças que conseguiram acompanhar as atividades remotas propostas, outras nem quiseram saber ou não têm capacidade de concentração”, diz. O colégio vai continuar oferecendo as aulas como no ano passado: duas a três vezes por semana, com uma hora e meia no máximo de duração. “Isso ajudou a manter o elo com a escola. Entre as crianças de 5 anos houve avanço pedagógico em relação à alfabetização, porque os pais acompanharam muito. Não é o ideal, mas é o que podemos fazer agora.”


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

QUEM SERIA SEU PRESIDENTE EM 2022

52.5%
23.7%
0%
5.1%
5.1%
1.7%
0%
1.7%
0%
1.7%
1.7%
5.1%
0%
0%
1.7%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp