Link112" target="_blank" id="publicidade20" >
29/03/2021 às 13h53min - Atualizada em 30/03/2021 às 14h20min

A diversidade no esporte e os testes de gênero

As mulheres buscam mais espaço no esporte, mas ainda encontram dificuldades.

DINO
http://www.unisal.br

As discussões sobre a diversidade da condição humana sempre estiveram presentes em diferentes espaços da sociedade - e não é diferente no âmbito esportivo. A mulher sofre na tentativa de inserção nos esportes de alto rendimento, em especial nos Jogos Olímpicos, com a criação de métodos de investigação, regulação e controle de corpo com a justificativa de proteger as próprias mulheres. O primeiro teste, por exemplo, surgiu em 1966 para verificar as genitálias e características sexuais secundárias. No ano seguinte, o Comitê Olímpico Internacional implementou a testagem cromossômica. Atualmente, o que impera são testes para verificar a concentração hormonal de testosterona.

A polêmica que envolve o esporte feminino não é de hoje. Na Antiguidade, a participação de mulheres nos Jogos Olímpicos não era permitida. Na verdade, eram vistas como seres que deviam ficar imóveis, com o intuito de se preservarem para gerar filhos/as saudáveis. Com um olhar biológico em relação ao corpo, as mulheres foram impedidas de ocupar os espaços sociais, culturais e políticos. Assim, as características atribuídas a elas sempre foram de sexo frágil, recatada, emotiva, que nasceu para ocupar o lar, cuidar do marido e dos filhos.

O homem, não. Ele é visto como um organismo com funcionamento padrão, sempre forte, ágil e inteligente, que pode correr, lutar, chutar, dançar, fazer piruetas, nadar, entre outros movimentos culturais e esportivos.

Nos Jogos Olímpicos da Antiguidade, o homem pôde mostrar suas capacidades e habilidades. Na Era Moderna, o Barão Pierre de Coubertin fez renascer os Jogos Olímpicos, e assim teve início a participação feminina - mesmo contrariando seus ideais.

Aos trancos e barrancos, a mulher está conseguindo ocupar seu lugar no mundo e no esporte, mas ainda encontra obstáculos. Seu organismo ainda é motivo de debate em relação a sua participação. Silvana Goellner, no livro "O esporte e a espetacularização dos corpos femininos", afirma que a "construção de um organismo forte, assentada no trinômio ‘saúde, força e beleza’ passa a ser meticulosamente observada, visto que a densidade do ser forte é tolerada até o ponto em que não ultrapasse aqueles limites ditados por sua ‘natureza’, ou ainda pelo que a biologia convencionou designar como sendo próprio do corpo feminino".

Aqui surge a reflexão: não basta ser mulher? Porque é assim que o esporte masculino acontece. O homem não precisa provar por meio de testes que está apto a competir em sua categoria. Graças aos testes de gênero, várias atletas foram e são impedidas de competirem e viverem do esporte. Elas sofrem e têm seus corpos e vidas minuciosamente investigados. Tudo isso em função de um discurso de justiça, de igualdade e de ética, entendendo ser necessário preservar as características femininas, no padrão biológico imposto, para que as mulheres possam ter sucesso no esporte e serem felizes.

Os exemplos: Annet Negesa, meio fundista de Uganda, foi impedida de participar dos Jogos de Londres, em 2012, e afastada das competições por oito anos após ter sido forçada a fazer cirurgia por ter testículos internos; Caster Semenya, sul-africana bicampeã olímpica e mundial no atletismo lutou contra as regras do COI e da IAAF na Corte Arbitral (e perdeu); Erika Coimbra, ex-jogadora de vôlei do Brasil, bronze nos Jogos de Sydney, em 2000, que tem Síndrome de Morris, a qual produz testosterona acima do normal; Edinanci Silva, ex-judoca brasileira que passou por verificações de gênero com grande humilhação em relação a sua vida como um todo; entre tantas outras.

Muitas mulheres, em função de características genéticas ou hormonais, têm testosterona demais para estarem no esporte feminino (não conseguido a popular "carteira rosa"), e de menos para estarem no esporte masculino. Uma realidade onde o espectador não pode assistir aos espetáculos esportivos, seus recordes e atuações simplesmente porque se acredita no poder da biologia em definir, de forma simplista, a complexidade do ser humano.

Bárbara Pires, no artigo "As políticas e produções de sexo/gênero no esporte", mostra que "a partir das histórias que retraçamos anteriormente, em que atletas com variações intersexuais comumente passam por avaliações coercitivas e humilhantes, além de procedimentos esterilizantes e estéticos para garantirem sua elegibilidade enquanto mulher em uma determinada categoria esportiva, é bastante perturbador o COI sugerir que não seria discriminatório uma mulher com hiperandrogenismo ser assignada como homem em uma competição".

Assim, os profissionais de Educação Física devem trabalhar esse assunto em suas aulas, discutindo a diversidade da condição humana e deixando o esporte acontecer para além de matizes normativas (de gênero, etnia, classe social, biótipos, habilidades, entre outras). Há que se desconstruir crenças que estão cristalizadas há muito tempo na sociedade - e que representam o pensamento do universo esportivo mundial. Os regulamentos são necessários, mas há que se alertar para a necessidade de olhar diferentes corpos e estabelecer critérios que respeitem essas diferenças. Que seja a vitória uma possibilidade de todos/as e que o fair play possa ser ensinado desde a infância para que o ser humano saiba valorizar a competição como um espaço de crescimento.


*Por Roberta Gaio, doutora e mestre em Educação e especialista em Ginástica Rítmica e Motricidade Humana e coordenadora do projeto de extensão GGDSAL (Grupo de Ginástica e Dança do UNISAL), unidade Campinas, e professora dos cursos de Educação Física no Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL



Website: http://www.unisal.br
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »

QUEM SERIA SEU PRESIDENTE EM 2022

52.5%
23.7%
0%
5.1%
5.1%
1.7%
0%
1.7%
0%
1.7%
1.7%
5.1%
0%
0%
1.7%
Moeda Valor
Servidor Indisponível ...
Link112" target="_blank" id="publicidade20" >
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp